The Father Of Lightnings

Screen Shot 2018-03-14 at 15.55.36.png

A partir da década de 1920, a corrida pelo desenvolvimento fez com que São Paulo virasse as costas para seus rios. O progresso reivindicava os leitos para asfaltar avenidas, as várzeas para levantar prédios e as águas para gerar energia elétrica, impulsionando a expansão industrial e demográfica da região e fundando as bases do urbanismo distópico que caracteriza a metrópole até hoje. A Hidrelétrica Henry Borden de Cubatão -inaugurada em 1926- constitui um marco fundamental deste círculo vicioso. Para girar suas turbinas, Asa White Billings idealizou o Projeto da Serra do Mar, acarretando a retificação dos rios Tietê e Pinheiros, a inversão do curso deste último e a construção de barragens. Em função da excessiva poluição das águas que abastecem o sistema, a usina que já teve a maior capacidade energética da América Latina hoje opera com apenas 25% de seu potencial. Em 1927 o escritor Rudyard Kipling visitou a hidrelétrica durante
a viagem que inspirou o livro
“Brazilian Sketches”. Descreveu seu assombro no capítulo “The Father of Lightnings”, de onde provêm as frases desta publicação. Este fotolivro foi produzido coletivamente em Santos entre 5 e 8 de outubro de 2017, durante
a segunda edição do Valongo – Festival Internacional da Imagem.

Conceito e coordenação: Walter Costa, Ivan Padovani

Artistas participantes: Alexandre França, Bruna Berthond, Heloisa Lodder, Marina Ejima, Paulo Ochandio, Raphaela Boghi, Weslei Barba e Yuri Veroneze

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s